"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

30 janeiro 2011

A Homosexualidade e o Espiritismo


O espírita verdadeiro sabe que a homosexualidade é uma condição ou situação que o espírito imortal experimenta na sua longa jornada de reencarnações educativas, cuja finalidade é o crescimento moral e intelectual.

As características mentais, superiores e inferiores, não se alterarão, esteja o Espírito vestindo roupagem física masculina ou feminina.

O espírito não tem sexo, por isso, nenhum de nós é essencialmente homem ou mulher.

Portanto, nós não somos, mas nós estamos experimentando a vivência em uma determinada situação. Se essa vivência contribuir para a nossa evolução espiritual, nossa reencarnação terá sido bem sucedida, caso contrário, teremos fracassado, e precisaremos repetir a lição como o aluno relapso.

Existem casos, nos quais será útil ao Espírito renascer, compulsoriamente, em campo sexual oposto àquele em que esteja, por abusos e desregramentos. Aí, o nascimento de criaturas com inversão sexual cogita, na maioria dos casos, de causa expiatória.

Isso acontece basicamente porque pessoas  que tiranizam o sexo oposto.

Mantendo a mente com características de masculinidade, estará extremamente desconfortável num corpo feminino, para assim aprender o respeito devido à mulher, seja ela mãe, irmã, filha ou companheira.

Da mesma forma, sucederá à mulher que, utilizando seus encantos e condições femininas de atração, arrastou homens ao desvairo, à perdição, ao abandono da família: terá que reencarnar como homem, embora suas tendências sejam declaradamente femininas.

A homosexualidade portanto é uma característica que auxilia o aprendizado do espírito em evolução. Espíritos preconceituosos ou com histórico de humilhação e submissão necessitam passar por isso, para se aprimorarem. Também há casos em que a transição homem-mulher, ou o contrário, que ocorre ao longo de várias encarnações, possa sofrer alguma interferência, afetando o plano da espiritualidade superior.

O sexo, assim como a cor da pele, a raça, a condição social, a aparência física, e condição de saúde, são atributos passageiros, dizem respeito ao corpo físico e não ao espírito que é a nossa essência.

O confronto entre os costumes sociais e as exigências da libido já expõe o homosexual a um penoso combate, pelo que precisa ser ajudado.

É no meio familiar que o homosexual deverá encontrar sólidos alicerces preparativos para os obstáculos da vida, contando com o apoio, a compreensão e principalmente, o respeito.