"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

26 janeiro 2011

Inteligência Espiritual


Inteligência Espiritual não é o mesmo que intuição.
Também não é o mesmo que pensamento positivo.
Tão pouco pode ser confundido com religiosidade. Há pessoas muito religiosas, mas com pouca Inteligência Espiritual e vice-versa.

No início do século XX, o QI era a medida definitiva da inteligência humana. Na década de 90, a descoberta da inteligência emocional (QE) mostrou que não bastava o individuo ser um gênio se não soubesse lidar com as emoções. No novo milênio as descobertas da ciência apontam para a Inteligência Espiritual (QS), responsável pelo significado da existência humana.

Inteligência Espiritual é uma maneira de acessar a realidade buscando um sentido maior e final para todas as coisas. A Inteligência Espiritual nos ajuda a compreender que a análise lógico-racional não consegue dar conta de todas as nossas questões existenciais.

A Inteligência Espiritual é a fonte do bom senso, do equilíbrio, da mansidão, da lucidez profunda.

Segundo a psicóloga e filósofa Danah Zohar que escreveu o livro “QS: Inteligência Espiritual”, publicado pela Record, a Inteligência Espiritual é: a capacidade de ser flexível; grau elevado de auto-conhecimento; capacidade de enfrentar a dor; capacidade de aprender com o sofrimento; capacidade de se inspirar a partir de conceitos e valores; relutância em causar mal aos outros; capacidade para ver conexões entre realidades distintas; tendência para se questionar sobre suas ações e seus desejos; capacidade de ir de encontro as convenções sociais e culturais.

A pessoa que mais representa este tipo de inteligência é Jesus Cristo.

Ele viveu há mais de dois mil anos atrás, e mesmo assim, a sua influência mobiliza dois terços da população mundial.

A maneira como ele viveu, o modo como ele se relacionou com as outras pessoas, como ele se doou para os outros, como ele foi capaz de enxergar a essência de cada ser humano, como ele se orientou por valores tão elevados, dá a Jesus o título de mestre quando o assunto é Inteligência Espiritual.

O desenvolvimento da Inteligência Espiritual é possível e necessária para qualquer pessoa, uma vez que a espiritualidade é uma característica inerente ao ser humano. A ignorância gera a crença mágica, mas a Inteligência Espiritual gera um senso tão profundo de propósito que consegue, aos olhos da racionalidade, acessar a dimensão do impossível e do milagroso.

(fonte: http://mentoriaespiritual.blogspot.com)