"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

07 março 2011

Não coloque a culpa no obsessor


Na grande maioria das vezes, é comum uma pessoa buscar a espiritualidade porque passa por um período de calamidades emocionais, crises financeiras e existenciais. 

As portas do mundo parecem fechadas para ela, e realmente é possível que estejam mesmo. 

São momentos em que tudo dá errado, mas muito errado mesmo, a ponto de todos ao redor sentirem-se penalizados.
Nesse instante não dá realmente para ignorar que existe algo estranho acontecendo. 

Além disso, muitas vezes o indivíduo adoece, sendo acometido por dores fortes e outras complicações físicas. Literalmente, o mundo caiu.


O que está acontecendo?

Na verdade, muitas vezes o mundo caiu porque foi construído ao longo da vida sem alicerce firme, e agora a pessoa está colhendo aquilo que plantou.

Nesses momentos, a pessoa recorre a tudo que ela já tenha ouvido falar, procurando ajuda para renascer e sair dessa lama que sua vida se tornou. No desespero, inicia uma caminhada louca em busca de amenizar a dor e o sofrimento, muitas vezes sem medir as consequências. É comum a procura por milagres, milagreiros, gurus.

Não estamos desvalorizando a figura de pessoas sérias, que estão ensinando, ajudando,  portando-se como verdadeiros mestres, que ajudam as pessoas a se entenderem em seus aprendizados. 
No Brasil e no mundo, existem milhares de seres bem intencionados, preparados, dedicados e verdadeiramente especiais, pois sem eles a situação do Planeta seria ainda pior.


Refiro-me ao fato de que quando uma pessoa mergulha em desespero, cria-se a tendência a sempre colocar a culpa no outro. Então, naturalmente ela também vai achar que a solução de seus problemas está em alguém externo e não em si mesma, comportamento condizente com quem está fora do eixo.

Nessa busca por amenizar a dor, é comum as pessoas buscarem igrejas, templos, religiões e filosofias,as quais muitas vezes atribuem a causa de tanta desgraça, crises e problemas à presença de seres desencarnados, chamados de obsessores ou encostos.

É claro que a influência produzida por espíritos desencarnados e desequilibrados é nociva!

Porém, quero evidenciar que a culpa não é apenas do encosto, do obsessor, do demônio ou outra denominação. Seja por seu comportamento, seu padrão emocional e mental, a sua conduta de vida, moral ou ética, nós é que repelimos ou atraimos tais influências.

Considero que a ajuda às pessoas que sofrem esse tipo de influência seja necessária e que as energias intrusas precisam ser removidas, para que a pessoa viva feliz, mesmo porque, muitas vezes, sem ajuda externa ela não conseguiria  libertar-se sozinha. 

Só que atribuir toda a culpa de um fracasso atual para um obsessor, é injustiça!


Pergunte-se em primeiro lugar: O que eu fiz para atrair esse tipo de influência? Por que eu estabeleci essa afinidade? Onde eu errei? O que preciso mudar para isso não acontecer mais?

Bingo! É disso que estamos falando! A ajuda externa é importante sim, mas não vai adiantar nada se você não mudar a sua maneira antiga de pensar; e isso dá trabalho, requer empenho e dedicação.

Quantas pessoas se dizem obsidiadas, vão às suas igrejas fazer descarregos, limpezas, purificações, desobsessões, no entanto depois que voltam para casa, brigam com seus cônjuges, cultivam mágoas, ódio, consomem álcool, cigarros, etc e não mudam nada em seus comportamentos. 

E daí, o que será que acontece depois?

Não demora nada e a influência espiritual se forma outra vez. Isso tudo sabe por quê?
Porque a única diferença que existe entre uma pessoa e seu obsessor é que um está vivo e outro não, um está encarnado e o outro desencarnado, apenas isso.

Estão sintonizados pelo padrão de pensamentos, pela afinidade de vibrações, pelos vícios compatíveis, emoções densas, etc.
Desobsessão simples, sem grandes doses de consciência, dificulta a evolução de qualquer ser.

Quando a pessoa se purifica e se eleva, a afinidade com esses seres se desfaz.
Com o padrão psíquico melhorando, passamos a atrair seres espirituais com intenções muito mais elevadas, configurando-se nesse caso como uma bênção e não uma influência negativa.

Nunca esqueçam: os semelhantes se atraem.

(Bruno J. Gimenes)