"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

26 janeiro 2012

O Espírito que fazia o Médium dormir


Jerônimo era um médium diferente. 

Não faltava a uma sessão mediúnica. Dizia ele que era um legítimo trabalhador de Deus e não pensava nunca em ser negligente com o Pai. Todas as quartas feiras às 19 horas ele estava no centro esperando os outros colegas chegarem.
 

Todos reunidos, adentravam o recinto da mediunidade. Jerônimo ficava atento ao início da sessão. 

Colaborava em todos os sentidos para que houvesse uma boa sessão mediúnica e que todos pudessem ajudar os irmãozinhos necessitados e serem também ajudados.
 

Acontece que Jerônimo tinha um grande problema. Assim que a luz era quebrada e a sala ficava a meia luz para facilitar as comunicações, Jerônimo caía no sono. Dormia tanto que roncava.
 

Vários alertas foram feitos ao nosso querido médium. Foi aconselhado que ele dormisse um pouco durante o dia – ele seguiu o mandamento a risca. Que ele ingerisse pouco alimento – ele seguiu à risca, que não se cansasse muito – assim ele fez e nada.
 

Conversamos muito com o nosso amigo, com o presidente, com a espiritualidade e não houve jeito de o nosso amigo ter uma postura melhor. Não que ele não quisesse, mas porque não conseguia mesmo.
 

Víamos que numa sessão assim não haveria muito proveito para o nosso amigo Jerônimo. Não poderíamos pedir para que o nosso amigo mudasse bruscamente sua postura, pois ele não conseguiria mesmo. O jeito foi continuar assim e assim permanecemos por 8 anos.
 

Um dia, numa sessão de sempre, o nosso irmão dormindo na mesa, eis que um espírito se incorpora em um médium e diz num tom bem alto:
 

- Jerônimo, acorde, seu tempo acabou. Daqui para frente vamos trabalhar pesado.Não podemos mais perder tempo.Temos muita coisa para fazer.
Jerônimo acordou meio sobressaltado, mas deu tempo para ouvir o que o espírito disse. E continuou o espírito:
 

- Senhor presidente, o meu nome é Rufino e era eu quem fazia o Jerônimo dormir. Assim que iniciavam os trabalhos eu chegava perto dele para que ele dormisse. Para que ele não acordasse, eu tinha que ficar perto, se eu saísse, ele iria acordar. Eu não queria que ele evoluísse, não queria que ele se tornasse melhor. 
Eu estava conseguindo meu objetivo, mas de tanto ter que ficar perto dele, quem acabava ouvindo, mesmo sem querer, era eu. Assim fui aprendendo e hoje estou preparado para trabalhar com vocês, aprendendo o que me for possível. 
Peço desculpas ao Jerônimo e a todos que participam desta mesa. Eu não entendia nada do que vocês falavam, mas hoje sei muito bem o que é uma sessão espírita. 
Vou continuar aqui sim e ao lado do Jerônimo, mas para ajudar. 
Os senhores podem ficar alertas, pois se o Jerônimo dormir de hoje em diante numa mesa mediúnica eu vou dar um beliscão nele...
 

Nunca mais o Jerônimo dormiu numa mesa e melhorou muito. 

Ficamos impressionados com este caso e ficamos nos interrogando: por que a espiritualidade não nos disse a respeito deste irmão? Já tínhamos feito esta pergunta e não veio nenhuma resposta adequada.
 

O Rufino não nos deu nenhuma pista porque ele estava sempre com o Jerônimo, mas ficamos pensando: talvez fosse algum irmão prejudicado dele em outra encarnação.
 

Depois deste fato o irmão Rufino vinha de vez em quando em nossa casa Espírita, e o nosso irmão Jerônimo nunca mais roncou numa mesa mediúnica.

(Henrique Pompilio de Araújo)

Fonte: http://www.artigonal.com/religiao-artigos/o-espirito-que-fazia-o-medium-dormir-1159962.html