"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

29 fevereiro 2012

A Morte de um Ente Querido: a Dor de Ambos


Não, o coração que amou de fato jamais esquece.
Mas continua amando até o fim, como o girassol volta para o seu Deus, quando ele se põe, o mesmo olhar que lhe dirigiu quando ele nasceu.
(Thomas Moore)

* * *

Uma das maiores dores que podem atingir a um coração na Terra é a separação de pessoas que se amam.

É humano sofrer com a morte física de alguém.

É necessário, no entanto, que não se faça do fim natural a que chega a vida física, um palco de revolta contra Deus.

A vida física tem seu início, meio e fim. Término esse que todos sabem que um dia chegará.

Por que não se preparar?

Não a esperando para qualquer momento, mas se conscientizando de que nada na vida lhes pertence, posto que "são depositários e não proprietários".

Apegam-se às pessoas, tornando-se delas donas, razão pela qual chega a revolta da separação.

Como alguém que é meu me pode ser tirado, sem o meu consentimento?

A saudade fará com que suas lágrimas caiam para sempre, diminuindo com o tempo, mas estarão sempre em sua face.

Mas, creia, o dia do reencontro chegará.

Aguarde com confiança e sem qualquer precipitação. Não chantageie a vida se entregando à autodestruição, isto só o levará a se afastar mais e mais das vibrações de refazimento e reequilíbrio.

Não retenha quem se foi além do necessário para que tenha boas recordações.

Desfaça-se dos excessos de correntes que podem aprisionar o seu amor ao seu lado. A vida dele prosseguirá em outras paragens, não mais na que você se encontra. Não o chame para ajudá-lo diante das suas dificuldades de vida. Elas são suas.

Deus não é cruel.

Jamais o faria reencontrar ou encontrar um amor para depois o lançar fora de sua vida, eternamente.

Seu sofrimento não é o maior do mundo, portanto não agrida a quem quer que seja com a justificativa de que o seu coração está de luto.

Alguém partiu, não faça com que os outros partam também, afastando-se de sua companhia.

Ore, pedindo pela paz do que se foi, lembrando-se que ele também sofre a saudade da separação.

Mas em suas preces nunca se esqueça de dizer: "Vá adiante amor, aqui ficaremos bem e, quando Deus assim quiser, nós nos veremos..."

(Carlos Murion)

Local: "Centro Espírita Cavaleiros da Luz" - Salvador (BA)

Médium : José Medrado

(do livro "Construção Interior", Ed. Mundo Maior)