"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

10 fevereiro 2012

Preconceito nas Casas Espíritas


Texto muito interessante sobre o preconceito em geral, dentro dos grupos espíritas e principalmente em relação aos espíritos que se apresentam como Pretos-Velhos.

* * * 

[…]

– Eu não posso aceitar que uma Casa Espírita que se diz Kardecista, e guardiã dos mais diversos valores morais, possa aceitar como seus trabalhadores, homossexuais, lésbicas, alcoólatras, drogados, mães solteiras, casais não casados oficialmente, analfabetos, etc. Casa Espírita não pode servir de refúgio ou abrigo para cegos e aleijados morais! Isso é preservar a pureza dos postulados espíritas e não preconceito!


As pessoas ficaram absolutamente surpresas com aquela declaração, sem acreditar que uma palestrante espírita pensasse e externasse aquela atitude tão preconceituosa.

Sheyla continuou, após uma pausa proposital para atrair a atenção dos presentes.

– Não, meus queridos irmãos. Eu não perdi o juízo e não penso da forma que acabei de expor. Graças a Deus, não!

Mas muita gente pensa e não tem coragem de externar publicamente. A discriminação a que acabei de me referir, existe sim, em maior ou menor grau nas Casas Espíritas.

Entre os que se arvoram de censores da vida alheia, detentores por certo, de ilibada reputação moral e impressionante elevação espiritual, acharemos os que pensam da forma como eu disse há pouco e em um grau tão alto de atitude preconceituosa, que chegam a pensar mesmo, que não se trata de preconceito, mas necessidade de preservar a pureza doutrinária. Este é o pretexto utilizado.




Entretanto, é possível que algum ingênuo companheiro acredite que realmente não existe nenhum preconceito nas Casas Espíritas! Mas existe. Existe sim, e ele se torna extremamente perigoso, exatamente pelo fato de nunca ser demonstrado às claras.

Mas se prestarmos bastante atenção, o preconceito está sempre se revelando nos cochichos, que alguns prezados companheiros insistem e são mestres em sussurrar em ouvidos ávidos por fofocas fluídicas.

Mas que fique claro: o Espiritismo e as Casas Espíritas, não têm nada a ver com preconceitos.

Absolutamente nada! Evidentemente que se eu perguntar se entre os presentes, há alguém que tenha algum tipo de preconceito em relação a outro trabalhador da Casa, por ser isso ou aquilo, eu não tenho dúvida que dificilmente aparecerá alguém para assumir.

Mas o fato de ninguém erguer a mão e assumir essa postura, não quer dizer que não exista. Ora, se existe, porque a pessoa não assume? Publicamente? Eu ficaria surpreso se aparecesse e sabem por quê? Porque o preconceituoso tem absoluta consciência de que está errado, e porque seria extremamente constrangedor para um espírita, assumir que é alguém com preconceitos.

Mas o que é o preconceito? Segundo os dicionaristas, o preconceito é uma opinião que é formada antecipadamente, sem um mínimo de ponderação ou conhecimento dos fatos.

Em outras palavras, preconceito é uma idéia preconcebida, que leva o preconceituoso a ter aversão e intolerância em relação à outras raças, religiões, pessoas, situações e por aí vai.   


      
Um preconceito que ainda existe e nunca deveria ter existido é quanto aos espíritos que nós recebemos em nossas reuniões mediúnicas. Eu já vi dirigente ter de chamar a atenção de médiuns – notadamente homens – que evitavam incorporar homossexuais ou mulheres, por receio de virar alvo de piadas de alguns colegas, provavelmente maravilhosos e evoluídos espíritas! Isso, meus caros, é preconceito!
 
E quanto aos preto-velhos? A literatura espírita relata que há casos de dirigentes que não aceitam a manifestação desses irmãos e chegam ao ponto de determinar que o médium corte a comunicação, mandando que o espírito procure um terreiro, porque ali não é lugar para ele, e isso independente do que o espírito pretende.

Então, não é mais o conteúdo da sua comunicação, o seu problema, que interessa? Mas Kardec não ensina que devemos inicialmente avaliar as mensagens, para verificar o que o ele pretende? Kardec não ensina que a melhor forma de identificar um espírito, é analisando o conteúdo das suas comunicações? E fazemos isso o mandando embora, ao invés de ouvi-lo?

Alguns comentam:
– Por que eles se apresentam como Pai fulano? Como um preto-velho? E por que é que eles têm de falar daquela forma?

Na verdade, muitos espíritos de brancos, idosos, ao invés da simplicidade de serem chamados de Pai, preferem se apresentar como... Doutores! E quanto ao falar daquela forma, seria interessante que as pessoas também questionassem: Por que os Espíritos do Dr. Fritz e da Irmã Sheilla, dois indiscutíveis valorosos trabalhadores do bem se expressam num português arrastado, com sotaque alemão?





Assim, os brancos podem agir e se expressarem com sotaques estrangeiros como faziam na última encarnação, mas os preto-velhos não podem? Ou seja: eles continuam sofrendo, no Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho, agora como espíritos, a mesma exclusão que sofreram quando estavam aqui encarnados!

Mas foi isso o que aprendemos com Kardec? Ou aprendemos que o Espiritismo, não veio para diferenciar os Espíritos pela posição social, cultural, cor da pele ou linguajar típico e sim pelos caracteres morais?

Haveria até alguma lógica argumentativa nesse radicalismo, se fosse impossível que um desses irmãos, negro, aparentemente inculto, ainda preso às lembranças da sua última encarnação, pudesse nos passar lições maravilhosas de amor, caridade, humildade e até mesmo pedir nossa permissão para assistir nossas reuniões, para estudar e aprender conosco, como estamos cansados de ver acontecer.

Por outro lado, eu já perdi a conta das vezes que presenciei e conversei com espíritos de doutores, brancos, esbanjando cultura, que chegam carregados de intenções maléficas. Uns evoluíram moralmente, outros intelectualmente. E o contrário também acontece. Independente de cor ou forma de falar!



Dois grandes erros cometidos por nossos trabalhadores: O 1º é comum. Quando um espírito fala alguma coisa negativa a nosso respeito, logo fazemos questão de duvidar das suas afirmações; quando ele fala algo positivo, enaltecendo-nos, massageando-nos o ego, acreditamos de bate pronto.

E o problema se agrava quando se trata do médium que precisa de aplauso. O médium que precisa de aplauso, é aquele médium que faz questão de sempre divulgar o que faz. Provavelmente aguardando alguma demonstração de inveja ou de admiração pela sua mediunidade. Este tipo de médium, quando dá de cara com um espírito inteligente, que sabe explorar essa sua fraqueza, termina fazendo dele um mero joguete.

O 2º erro de muitos espíritas, é a sua crença absoluta em tudo o que os espíritos dizem. Se aparece um espírito que se diz médico e passar uma receita, há espíritas que tomam o remédio, sem analisar o conteúdo da mensagem do espírito, sem analisar o próprio remédio e até sem se saber doente!  Se aparece um espírito que diz ser um preto-velho, com a voz macia e diz que é o guardião da pessoa, esta pessoa, desprezando o “passar tudo pelo crivo da razão”, passa a submeter-se a tudo o que o espírito diz.

Ou seja, há um equivocado endeusamento desse tipo de espíritos, esquecendo-se que os dois, que aparentam ser um médico e um preto-velho, podem sim, ser dois grandes charlatões, dois grandes mistificadores! Mas como ter certeza sem ouvi-los atentamente e saber o que pretendem?

Que fique bem claro: Quando falo das manifestações dos preto-velhos, não estou defendendo sua evocação, o uso de fumo, bebida, vela, etc. Muito menos os rituais que os terreiros costumam adotar. Estou falando que devemos ouvi-los, como a qualquer outro espírito, respeitando a forma como eles se expressam, e independente de qualquer coisa.

Apenas após serem ouvidos é que decidimos como fazer para melhor ajudá-los, até porque se estão podendo se comunicar, foi porque a equipe espiritual que dirige os trabalhos mediúnicos, permitiu!

Ora, se a equipe espiritual é quem seleciona os espíritos que irão se comunicar em nossas reuniões, quando eles se apresentarem, nós iremos fazer uma seleção da seleção? Com que autoridade moral nós podemos dizer que espírito A ou espírito B pode ou não se comunicar? Falar do seu problema? Pedir socorro? Quem de nós pode atirar a primeira pedra?

Mas pode ser um espírito charlatão, mistificador, se passando por um preto-velho! Alguém pode estar pensando. É verdade. E acontece mesmo. Mas também acontece de chegar um espírito charlatão, mistificador, tentando se passar por um filósofo, um cientista ou um espírito muito evoluído.

Mas, e se for? E se for um espírito se passando por quem quer que seja? Branco, preto, vermelho, amarelo, etc.? Inclusive ameaçando nos agredir? Mandamos embora? Ao contrário!

Irmãos assim, agressivos, ameaçadores, mistificadores, etc., são os que mais precisam de nossa ajuda e não será enxotando-os para longe das nossas reuniões mediúnicas ou da nossa Casa Espírita, que é hospital e escola, que estaremos lhes estendendo a mão. Na realidade, estaremos expulsando-os do local que tem obrigação moral de ampará-los e ajudá-los!

Há uns quatros anos recebemos um preto-velho na nossa reunião mediúnica. O preto-velho disse ao doutrinador que queria fazer a limpeza da sala. O doutrinador chamou o dirigente, quando então lhe foi explicado que a higienização da sala já fora feita pela equipe espiritual da Casa e que não havia necessidade de fazer outra.

Ele solicitou autorização para levantar-se e dar uma baforada em cada um dos trabalhadores. Mais uma vez não foi permitido e o dirigente lhe disse que os trabalhos seriam interrompidos se ele chegasse em um médium incorporado para dar sua baforada.

Disse-lhe também que nós trabalhamos de forma diferente e que se ele fosse a um terreiro de umbanda, não tentaria impor lá, a forma como trabalhamos em uma casa kardecista. Ele não gostou e lhe deu uma cutucada daquelas, perguntando:

– E o fio ainda chama isso aqui de casa de caridade?

Parte do grupo achou que o dirigente tinha sido inflexível demais. Entretanto, aproximadamente um mês depois, o preto-velho retornou. Mandou chamar o dirigente, pediu desculpas por que lá em Aruanda, que parece ser uma espécie de colônia deles, ensinaram-lhe que ele agira errado e que agora ele estava presente com vários outros companheiros seus e queriam assistir a nossa reunião para aprender conosco. Era um mistificador? Não. Era apenas um espírito que precisava estudar mais.



Na mitologia chinesa existe uma lenda, que apregoa estarem o Céu e a Terra ligados por uma gigantesca árvore, chamada Jian Mu. Dos seus galhos descem milhares de cipós, que servem como escadas por onde os homens sobem em direção ao céu, após entender e vivenciar que na realidade, o nosso dia a dia aqui, é o indispensável cipó, a escada, por onde subiremos para mundos espirituais mais elevados do que o nosso querido planetinha.

Há infelizmente, muitos companheiros espíritas que acham que já galgaram a Jian Mu e se consideram tão evoluídos, que podem fazer um sumário julgamento dos outros. E neste precipitado julgamento, levam em consideração as aparências, mesmo sabendo que podem ser enganadoras. E o pior, é que quando as aparências não agradam, marcam a pessoa e se previnem contra ela, isolando-a em abominável preconceito!

E aqui, infelizmente, até nossos irmãos espíritas que em algum momento das suas vidas optaram por trilhar caminhos perigosos e que depois, conscientes da opção errada, tentam voltar para o seio da Doutrina Espírita, muitas vezes têm suas pretensões negadas, por companheiros irredutíveis que não os aceita com a alegria que deveria existir e ficam criando dificuldades para seu retorno.

Ao contrário dos homens, que procuram um “jeitinho” para “queimar” etapas, e “subir” mais rapidamente na Jian Mu, pelos cipós da hipocrisia, da farsa, da intolerância e dos preconceitos, eu convoco os meus irmãos espíritas, a procurarmos juntos, dois cipós, resistentes, seguros e éticos, para iniciarmos a escalada em busca da nossa evolução moral e espiritual: a paz de consciência e a fraternidade espiritual.

Tenho certeza de que o primeiro passo para lutar contra os preconceitos, é reconhecer a sua existência. Não é tão fácil, mas se concordamos que todos os homens são irmãos, independente do momento e situação que cada um vive e que é preciso superar os preconceitos, nós iremos perceber que existem irmãos excluídos, à nossa volta, inclusive na Casa Espírita que frequentamos, que estão gritando em silêncio por socorro, e nós permanecemos surdos em função dos nossos preconceitos.

Assim, está em nossas mãos a oportunidade de começarmos a lutar, para que não existam mais pessoas excluídas ao nosso lado. Pelo menos, na nossa Casa Espírita! Muita paz para todos!

[…]





Fonte: http://agnaldo-cardoso.blogspot.com/2011/07/o-cartomante_09.html