"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

19 maio 2012

Estado de Coma



De repente, tudo fazia sentido.

Não, não era um pesadelo!

Aquele vulto iluminado, que sempre me pareceu uma névoa resplandecente e que ficava a um canto do quarto desde o início aos poucos foi entrando em foco, até que pude reconhecer minha mãezinha.

Fiquei fitando-a incrédulo e sem conseguir dizer nada, até que ela aproximou-se e explicou-me tudo.

Meu corpo, no leito hospitalar ainda vivia, como um vegetal. Mas, aproximava-se o fim.

Como já faziam anos que estava naquele estado, meu espírito - eu mesmo! - estava praticamente liberto no derradeiro momento.

Estranhamente, reconheço agora, nada de mal senti durante este tempo todo. Parecia estar naquele estado de sonolência entre o dormir e o acordar, sem saber distinguir exatamente onde.

Às vezes ouvia as vozes de meus familiares, a esposa, os filhos. Jurava poder sentir minha própria respiração e o toque de mãos amigas.

Outras tantas, parecia flutuar por lugares e ver pessoas, velhas conhecidas, embora eu não pudesse reconhecê-las. Ia e vinha sem noção do que se passava exatamente.

A única certeza era a névoa iluminada sempre ali, a um canto do quarto, como a me guardar.

Assim, esclarecido e conformado em deixar temporariamente meus amados na Terra, vi meu corpo falecer. Vi meu enterro e procurei conter-me, ante a comoção de todos.

Entendi que o Plano Espiritual nos chama na hora certa e agradeci a forma com que fui reconduzido à vida astral. Como minha crença em Deus não era lá muito sólida, fui sendo trazido aos poucos, da forma já aqui narrada, o que para mim acabou sendo uma bênção.

Agradeço a Deus por tudo e pela oportunidade de aqui comparecer hoje.

Creio que meu relato pode inspirar os amigos verdadeiros daqueles que passam por tal transição, e suscitar neles a força e a fé necessários para ajudá-los na longa viagem de volta para casa.

Não existem barreiras para quem ama.

Boa noite a todos.


Autor: Sebastião Cunha
Psicografado por: Cleber P. Campos


* * *