"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

07 maio 2013

Tristeza - Rubem Alves



Há tristeza de dois tipos.
Primeiro, são as tristezas diurnas, quando o mundo está iluminado pelo Sol.
Tristezas para as quais há razões.
Quem não sente essas tristezas está doente e precisa de terapia para aprender a ficar triste.
Tristeza é parte da vida. Ela é a reação natural da alma diante da perda de algo que se ama.
Segundo, são as tristezas de crepúsculos.
O crepúsculo é triste. Não há perda nenhuma e a despeito disso se fica triste.
Talvez porque o crepúsculo seja uma metáfora do que é a vida: a beleza efêmera das cores que vão mergulhando no escuro da noite.
A alma é um cenário. Por vezes, ela é como uma manhã brilhante e fresca, inundada de alegria. Por vezes ela é como um pôr-do-sol, triste e nostálgico. A vida é assim.
Mas, se é manhã brilhante o tempo todo, alguma coisa está errada.
Tristeza é preciso.
A tristeza torna as pessoas mais ternas.
Se é crepúsculo o tempo todo alguma coisa não está bem. Alegria é preciso.
Alegria é a chama que dá vontade de viver.
É preciso que a tristeza seja temperada com alegria.
Tristeza, só, é muito perigoso...

*  *  *