"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

04 outubro 2013

O céu não chora



Caro irmão,


O Céu não chora por causa dos equívocos dos homens.

Os habitantes dos planos sutis já se libertaram dos grilhões emocionais, há muito, mediante esforços e provações experimentadas ao longo de seu progresso.

Com a tranqüilidade característica dos espíritos portadores da paz íntima, não se deixam levar pelas emoções e opiniões do momento.

Não são dados a flutuações de humor nem se deixam levar pelas influências psíquicas coletivas, sempre tendenciosas e motivadas pelos contextos temporários dos jogos políticos e interesseiros, típicos dos homens da Terra.

Quem chora é a humanidade, vítima de seu próprio temperamento.

No entanto, independentemente das energias pesadas às quais os homens se submetem, os seres de luz continuam trabalhando, sem esmorecer, pois o seu compromisso não é com as oscilações humanas, mas, com o despertar das consciências e o progresso de todos os seres.

Mesmo que a maioria da humanidade gritasse: 
"Nós gostamos de climas pesados, curtimos a adrenalina que a violência propicia. Caiam fora, não queremos espiritualidade, queremos mais emoções e contendas!", ainda assim, os seres de luz continuariam trabalhando, sem titubear, sem esmorecer, sem julgar, sem deixar de fazer o bem a todos, sempre de forma invisível, de maneiras secretas, as quais os homens sequer perceberiam, como sempre...

O compromisso deles está em seu próprio nível de consciência e responsabilidade.

É lucidez, plenitude e irradiação natural da luz que portam.

Eles nem têm como evitar, emanam amor sereno e paciente; são paz perene e luz consciente; são agentes transformadores das energias, e o motivo de sua ação sutil está dentro deles mesmos.

As consciências extrafísicas evoluídas continuam trabalhando pelo bem da humanidade. 

E suas ponderações e motivações pacíficas continuarão chegando aos homens, seja por intermédios de energias sutis, por inspirações secretas e providenciais, ou mesmo por idéias veiculadas pelos meios apropriados para tal tarefa.

Do Invisível Imanente, fluindo por todos os planos de manifestação, aos homens de boa vontade e dispostos a climas melhores na existência, continuarão a chegar mensagens de paz e lucidez.

Mesmo vivendo nos climas caóticos, gerados pela intemperança dos homens, é possível refletir e trabalhar sob os auspícios de ideais superiores.

Se não no mundo externo, que seja no coração de cada um.

Mesmo com boa parte da humanidade surda aos apelos do despertar consciencial, a Espiritualidade Superior continuará tocando a música das esferas, pois muitos já conseguem escutá-la, ainda que em meio aos ruídos do ego do mundo.

Pacientemente, muitos seres luminosos, de várias procedências, físicas e extrafísicas (espíritos, devas, seres de outros orbes mais evoluídos, com forma e sem forma), continuarão depositando presentes de luz nos corações, secretamente, como sempre...

E no mundo, muitos continuarão zombando e gritando com o Céu... enquanto outros, escutarão a música das esferas e procurarão pautar suas escolhas e atitudes dentro da ressonância que sentirem
em seus corações.

O Céu não chora, quem chora são os homens.

O Céu só ama, em silêncio.

Ele continuará depositando os presentes de luz...

Secretamente, na sintonia de cada um, sabendo quem é quem...

Sempre em nome do Grande Arquiteto do Universo.


(Esses escritos são dedicados aos mestres espirituais, que abraçam invisivelmente a humanidade).


Paz e Luz.



Os Iniciados



(Recebido espiritualmente por Wagner Borges – São Paulo, 24/10/2005).







* * *