"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

26 novembro 2013

Cada um de nós é imortal


Não me refiro simplesmente ao fato de transmitirmos os nossos genes, as nossas convicções, os nossos maneirismos e os nossos “caminhos” aos nossos filhos, que, por sua vez, os transmitem aos seus filhos, embora obviamente o façamos.

Nem me refiro ao fato de os nossos feitos - a obra de arte, a nova maneira de fazer sapatos, as idéias revolucionárias, a receita de tarte de amora - nos sobreviverem, embora obviamente isso
aconteça.

O que quero dizer é que a parte mais importante de nós, a nossa alma, vive para sempre.

Sigmund Freud descreveu a mente como funcionando em diferentes níveis. Entre eles está aquilo a que chamamos a mente inconsciente, da qual não estamos conscientes, por definição, mas que armazena toda a nossa experiência e nos leva a agir como agimos, pensar como pensamos, reagir como reagimos, sentir como sentimos.

Ele percebeu que só quando acedemos ao inconsciente é que podemos compreender quem somos; com esse conhecimento, seremos capazes de nos curarmos. 

Algumas pessoas escreveram que a alma é isso - o inconsciente de Freud. (…)

Acredito que cada um de nós possui uma alma que continua a existir depois da morte do corpo físico e que ela regressa constantemente a outros corpos, num esforço progressivo para alcançar um plano mais elevado.


(Brian Weiss, do livro “Muitos corpos, uma só alma”)


* * *