"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

01 novembro 2013

De volta para casa, lá em cima, no meio das estrelas...


Excelente texto de Wagner Borges.

*  *  * 


De volta para casa, lá em cima, no meio das estrelas... 


(Falando de Vida Após a Morte)


Jamais, em época nenhuma, algum espírito foi enterrado.
O que fica embaixo da terra é só o corpo.
E, mesmo nos casos de grande apego aos despojos, o lance é outro.
O espírito não fica dentro do corpo; o que rola é uma ilusão de seus sentidos.
Pela identificação doentia com o corpo, ele estaciona no cemitério.
Porque não sabe para onde ir. Tem medo de perder o corpo.
E, no entanto, já perdeu. E os seus pensamentos o ligam ao lugar.
Mas, sua casa real não é na tumba tal, nunca foi...
Sua casa é o infinito, de onde veio, e para onde vai...
E a bússola é o seu coração, que ele dificilmente consulta.
Por isso, ele raramente olha para o Céu - e nem pensa no Eterno.
Porque sua consciência já era assim durante a vida carnal.
Nada lhe importava, somente o jogo dos sentidos e as coisas da carne.
E, mesmo em corpo espiritual, ele age como se fosse com o corpo físico.
Em lugar de voar, ele anda; em vez de olhar para cima, ele olha para baixo.
E, sob o efeito de tal ilusão, ele sequer percebe suas reais condições.
E também não capta os bons pensamentos dos espíritos de luz.
E, mesmo que os visse, ele não aceitaria suas orientações.
Porque todo espírito apegado é turrão! E precisa ralar um pouco para se abrir.
Por isso, o plano espiritual deixa que ele fique por ali, até o momento adequado.
Eles sabem que, de alguma maneira, ele enjoará de tal condição.
Quando o vazio dentro dele apertar, ele olhará para o Céu e se lembrará de Deus.
A sua teimosia cederá diante do infinito, e ele finalmente capitulará.
Ah, ele se lembrará das estrelas! E daquela Luz Maior, que é sua origem.
Então, primeiro, ele escutará o seu coração; e, depois, refletirá. E algo acontecerá...
Até lá, os espíritos de luz velarão silenciosamente por ele.
E, quando ele se abrir, mãos de luz o arrebatarão de volta para casa.
Porque o seu lugar não é em tumba alguma; mas, lá em cima, no meio das estrelas.
Aliás, sempre foi... E sempre será!

Paz e Luz.


(Wagner Borges)


Fonte: 

(Imagens do artista russo Leonid Tishkov)


*  *  *