"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

16 fevereiro 2014

Por que vale a pena fazer o bem



“Bondade em balde é devolvida em barril.” – Provérbio Chinês

*


Não pensemos nós que fazer o bem, pregar a justiça, a solidariedade, a compaixão e o respeito é agir como um tolo que dá gratuitamente de si para receber nada em troca.

O verdadeiro e meritório ato de bondade é aquele em que não esperamos nenhum presente ou elogio por recompensa.

É a ação onde a mão direita não sabe o que fez a esquerda. É aquela que ninguém saberá quem fez a não ser nós mesmos ou no máximo um círculo mínimo de pessoas que souberam do ocorrido simplesmente por estarem no local naquele exato momento para poderem testemunhar o episódio.

É o bem realizado sem fogos de artifício ou comícios.

Fazer o bem cria uma corrente de ações onde cada receptor é influenciado positivamente a também agir com semelhante benevolência para com seu próximo.

É um passaporte onde aquilo que fazemos pavimentará a nossa futura estrada nesta vida. Porém, engana-se quem acha que o autor do verdadeiro ato meritório nada recebe em troca.


Praticar o bem é como regar a flor. Sentindo-se bem tratada e nutrida de tua atenção perfume te dará por recompensa. É como encher de amor teu animal de estimação. Feliz com teu respeito e cuidados lançará alegremente sobre ti um olhar de ternura e graciosidade. Este é o presente.

É como ajudar alguém: ganharás o respeito e a admiração das pessoas. Fazer o bem nunca é uma via de mão única. Ilude-se terrivelmente quem pensa que quem pratica o bem nada recebe de volta.

Praticar e espalhar a bondade faz-nos sentirmos pessoas melhores. Diminui nossos níveis de estresses, de ansiedade. Nosso sistema imunológico torna-se mais forte.

Atos de bondade são como feixes de luz que atravessam e rasgam a escuridão da tristeza e melancolia alheia. Feixes de luz que projetam-se do farol de nossa alma. Quanto mais forte esta luz mais esperança e transformação transmitirá. Mais vidas podem ser transformadas e insufladas com a força necessária para a boa reação de auto-reestruturação.

Não deixe, meu irmão, que esta importante luminária de seu interior apague-se e torne-se oca.

Lembre-se: se os feixes de luz que saem de dentro de ti tem o poder para transformar vidas, quanto mais dentro de ti força terá onde seu motor e projetor se localizam. A luz é muito mais rica e poderosa perto de sua fonte. Deixe-se contemplar e contaminar por sua própria beleza interior e você irá se tornar em uma nova e melhor pessoa.

O autor do bem é como o cabeça da tropa, o guia da manada.

O bem tem por característica ser superior e mais contagiante do que o mal. Ao praticar o bem sua própria natureza expõe os outros a uma energia tão positiva que conquista a simpatia alheia com naturalidade.


Eles assimilarão e seguirão teus passos como os animais seguindo instintivamente seu líder. Teus nobres passos condicionarão o grupo para pensamentos mais nobres e edificantes. Serás aquele que faz a diferença no meio social em que vives. Até mesmo pequenas boas ações que fazemos podem retornar a nós desproporcionalmente maiores e acrescidas.

Um bom dia, uma boa tarde, um sorriso que fazemos a um respeitoso vizinho podem fazê-lo em uma grave emergência vir ao nosso socorro, despendendo seu tempo e atenção ao nosso favor.

A discrição com a intimidade alheia e de seus assuntos podem produzir confiança. A amizade sincera fará você sempre ser bem lembrado. A moeda ao necessitado salutares obrigados. E para cada exemplo dei apenas uma única conseqüência; mas, na prática, elas são infinitas.

Fazer o bem é dar uma colher de respeito e recolher uma concha de admiração.

Fazer o bem é entregar um balde de amor e receber de volta um barril de compaixão.


Tudo que fazemos ao próximo dia menos dia retorna a nós. É como uma poupança bancária. O que depositamos juros acrescem.

Nossas ações influenciam nosso meio social de uma forma tão imperceptível que ficaríamos impressionados como cada ação, por mais irrelevante que possa parecer, tem o poder de condicionar e preparar novos rumos na vida de diversas pessoas.

Nossas ações moldam nosso círculo social. Preparemos o futuro dos nossos filhos hoje com nossas ações inspiradas na bondade e honestidade. Quando eles tiverem sua idade agradecerão pelo seu íntegro exemplo e saberão que sua firme postura na justiça e na verdade contribuíram para tornar o mundo um pouco melhor.

No final das contas eles aprenderão e ensinarão aos seus próprios filhos – que serão seus netos – aquela velha e popular máxima de agradecimento: “Deus te pague em dobro”.

E Deus realmente paga.



(de Michel David Shamess)





* * *