"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

27 março 2014

Carl Gustav Jung e Deus



Tudo o que aprendi levou-me, passo a passo, a uma inabalável convicção sobre a existência de Deus. 
Eu só acredito naquilo que sei. E isso elimina a crença. 
Portanto, não baseio a Sua existência na crença … eu sei (grifo original) que Ele existe…. 

Não acredito em Deus, eu O conheço.

Faço meus pacientes entenderem que tudo o que lhes acontece contra a vontade deles é fruto de uma vontade superior. (…) Deus nada mais é do que essa força superior em nossa vida.

Eu não acredito, eu sei.

A diferença entre a maioria dos homens e eu, reside no fato de que em mim as ‘paredes divisórias’ são transparentes.
É uma particularidade minha.
Nos outros, elas são muitas vezes tão espessas, que lhes impedem a visão; eles pensam, por isso, que não há nada do outro lado. [....] Quem nada vê não tem segurança, não pode tirar conclusão alguma, ou não confia em suas conclusões.
Acho que meus pensamentos giram em torno de Deus como os planetas em torno do Sol, e são da mesma forma irresistivelmente atraídos por ele. Eu me sentiria como o maior pecador querer opor uma resistência a esta força. (…) compreendi que Deus – pelo menos para mim – era uma das experiências mais imediatas.

(Carl Gustav Jung)







* * *