"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

21 maio 2014

Sentir é atrair


Semelhante atrai semelhante.

Esta é a lei de afinidade, que preside a troca de pensamentos e de impressões entre os Espíritos por via telepática.

Ela está presente, também, nos fenômenos mediúnicos, estabelecendo a necessária sintonia de pensamentos entre o médium e o Espírito comunicante.

Entre nós, encarnados, ela é uma das possíveis explicações da simpatia instantânea que experimentamos, por pessoas desconhecidas, sem outra razão aparente.

Esta simpatia pode indicar que somos Espíritos afins, em comunhão de sentimentos e de interesses.

É a afinidade que determina o meio em que nos encontramos no Mundo Espiritual, após o desencarne, isto é, se de acordo com a nossa maneira de proceder na Terra, estaremos perto dos Espíritos felizes ou dos sofredores.

A afinidade nos aproxima, durante o sono, de Espíritos semelhantes a nós.

Aquele que pensa o bem, aprecia o belo e a verdade, vai para junto daqueles Espíritos que cultivam estes valores.

Os Espíritos viciosos vão em busca da satisfação de seus vícios e da degradação, que é onde encontram seus pares.

A conseqüência dessa lei para nossas vidas é que atraímos tudo aquilo que sentimos.

Se vivemos a rotina do medo, da desconfiança, da irritação e do pessimismo teremos, junto de nós, Espíritos com estas características, alimentando esta espécie de sentimentos.

Em compensação, se decidimos defender a verdade, teremos a nos assistir Espíritos amantes da verdade.

Se decidimos acolher e amparar, atrairemos Espíritos que fazem da caridade sua principal ocupação.

Se formos confiantes, atrairemos confiança.

Se formos alegres, atrairemos a alegria dos bons Espíritos que nos inspirarão bom ânimo.

Em qualquer circunstância, é útil este lembrete: SENTIR É ATRAIR.


(in “Um pouco por dia”, de Rita Foelker)



* * *