"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

21 outubro 2014

O político corrupto e a Espiritualidade...



"Eu continuo sendo apenas um palhaço, o que já me coloca em nível bem mais elevado do que qualquer político".
(Charles Chaplin)

*

Devedores que somos diante das leis naturais, temos no livre-arbítrio a liberdade das escolhas, sejam elas boas ou más. 

Portanto, nós mesmos dirigimos as nossas vidas conforme o que decidimos sem a interferência de tais leis.

No entanto, através das sucessivas reencarnações do espírito, a mente de traço perverso, faz da trajetória vital uma oportunidade de praticar a violência implícita ou explícita. 

E o poder é o meio ideal para a prática de atos ilícitos que favoreçam a si mesmo ou a terceiros.

A política observada como poder, revela em seus bastidores uma gama muito variada de corruptos que não têm o menor escrúpulo na criação de esquemas que desviam a verba pública para a satisfação de interesses particulares ou de pequeno, médio e grande grupo de pessoas.

À medida que o indivíduo corrupto sente satisfação na sua prática, a corrupção torna-se um vício onde os atos ilícitos repetem-se de uma forma obsessivo-compulsiva.

A política atual, herança do poder conquistado a sangue, ferro e fogo, nas violentas batalhas campais da Idade Média, é reflexo de um passado selvagem, onde a honra, a justiça e a verdade eram valores manipulados pelos vitoriosos que estabeleciam as suas "regras" sobre os derrotados.

Quantos destes políticos corruptos que hoje desfilam no cenário político, são "velhos conhecidos" uns dos outros? 

Quantas oportunidades reencarnatórias eles tiveram para regenerarem-se, no entanto, reincidiram diversas vezes no mesmo erro?

Geralmente, o "corrupto de carteirinha" não constrói o seu currículo em uma única vivência. 

Essa experiência ele traz de outras vidas onde exerceu o mando e praticou formas de violência que prejudicaram pessoas.

O ciclo reencarnatório do indivíduo corrupto, do estelionatário e de outros comportamentos doentios, onde a perversidade está presente, representa para a maioria destes indivíduos, o aprisionamento em si mesmo, ou seja, o envolvimento na energia da obsessão que cega e condiciona o livre-arbítrio.

A sedução e a tentação são características humanas associadas ao poder. 

Quando o espírito encarnado traz em sua bagagem (currículo) um padrão comportamental compatível à corrupção, a tendência é que ele continue praticando, ao assumir um cargo público, o que já vinha praticando em outras vidas. 

Nesse sentido, somente o amor e a educação equilibrada transmitida pelos pais - ou substitutos - poderá alterar essa "tendência".

Aprendemos pela dor ou pelo amor. 

As escolhas são nossas. 

Somos o que escolhemos para as nossa vidas. 

Porém, diante das leis espirituais nada passa despercebido. 

Podemos enganar milhões de pessoas através de esquemas sigilosos, mas não podemos enganar a nós mesmos diante do "tribunal" da própria consciência.

"A verdade vos libertará", disse Jesus Cristo à multidão. 

A mentira, os perversos mecanismos mentais e espirituais associados à corrupção, escravizam o indivíduo a ponto dele perder qualquer referência que o ligue a valores eternos.

Nesse alvorecer de milênio, os corruptos estão tendo as últimas oportunidades reencarnatórias de regenerarem-se. Aquele que reincidir no erro, será no futuro próximo, transferido para uma realidade interdimensional compatível com o seu grau de adiantamento espiritual.

O nosso mundo, ao entrar no processo de regeneração espiritual, começa a depurar a sua energia. 

As próximas gerações de humanos virão cada vez mais lúcidas e adequadas às transformações que representam uma nova fase de transição do planeta Terra.

Uma realidade em que a seleção natural dos espíritos que aqui viverão, será baseada nas leis naturais que regem o universo. 

Aqueles que não se adequarem a essa nova realidade, serão, compulsoriamente, forçados a reencarnar em mundos onde as sombras predominam.

As chances são iguais para todos. O que muda são as escolhas pelo livre-arbítrio. 

Muitos preferem plasmar aqui o seu vale de lágrimas. 

Outros, o seu iluminado caminho.



(O político corrupto - por Flávio Bastos)







* * *