"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

18 janeiro 2015

Meu pequeno paciente




Era um dia comum de trabalho.
Muito trabalho.
Não há trégua para quem trabalha em saúde pública...
Falta estrutura e pessoal técnico.
Sobrecarga de pacientes, a maioria impaciente com razão, e é engraçado que geralmente os mais graves são os mais serenos e os que mais reclamam são os que menos necessitam...
Todos são iguais perante Deus e os Homens, e o critério é dar prioridade aos que apresentam maior risco.
Eis que surge o pequeno F.
Cinco anos.
Com um caminhãozinho de plástico na mão, coisa rara entre os pequeninos hoje em dia. (Outro dia atendi um menininho de três anos com um inseparável tablet na mão e sua mãe dedicada ao celular dela, o tempo todo!)
Logo a mãe desabafa, preocupada com a alimentação dele... ”Tá magrinho, deve ter anemia!” “precisa de exames...”
E eis que logo de início, este pequenino falante e inteligente, um pontinho de luz, que nasceu num bairro pobre e violento onde eu trabalho, dispara qual metralhadora curiosa uma seqüência de perguntas e pensamentos que me encantaram com sua pureza, e demonstraram, entre outras coisas, sua preocupação com a violência, com a preservação da natureza e meio ambiente.

 “Doutora, não pode sujar o chão, mas tenho um amigo que faz isso...”, 
“ Um primo meu machucou o irmãozinho dele...que é bem pequenininho...isso não pode não é?...”,
“Você gosta de pic-nic? É bom ficar onde tem muitas flores...” ,
“Meu pai trabalha muito e não tem tempo pra conversar comigo...”,
“Gosto de comer jiló...”,
"Eu gosto muito das árvores, mas tem gente que derruba..."

E assim foram alguns dos inúmeros pensamentos daquele pequenino paciente.
A mãe me pedindo desculpas: ”Preciso achar o botão pra desligar esse menino!”
E eu encantada com aquela alma iluminada que estava ali na minha frente, que reencarnou com a missão de alavancar aquela família, carente material e espiritualmente, para a evolução.



*  *  *