"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

11 maio 2018



Nesse momento planetário é necessário silenciar a mente, acalmar os corações, vibrar boas energias para todos e para o planeta.
Não entre na vibração de catástrofes, não tenha medo, confie, tenha fé que tudo está certo como está e aquele que tem fé e é útil, estará salvo em qualquer linha de tempo, a vida é eterna.

(Cassyah Faria – hipnoterapeuta)


*  *  *


"O Amor é maior que o medo."


Um lindo vídeo por uma importante causa.


O Hospital de Câncer de Barretos agora é Hospital de Amor.





*  *  *



04 maio 2018

Simples assim...




Aprender é descobrir aquilo que você já sabe
Fazer é demonstrar que você o sabe
Ensinar é lembrar aos outros que eles sabem tanto quanto você.
Vocês são todos aprendizes, fazedores, professores

(Richard Bach)



*  *  *




Este é um menino tibetano, agarrando a mão de seu pai, que trabalha na construção de estradas, no Tibete.

Um olhar, para nossa reflexão.

Foto de Sergi Barisashvili.





*  *  *




01 maio 2018





Que o Deus que brinca em mim, 
convide para brincar o Deus que mora em todos as pessoas que, porventura, eu encontrar.
Que eu tenha delicadeza para acolher aqueles que entrarem na roda, 
e sabedoria para abençoar aqueles que dela se retirarem.

(Ana Jácomo)


*  *  *  



Simples assim...




Meu Deus, ouça as preces que lhe dirijo quando amanheço revigorada e anoiteço tranquila.

Quando consigo manter uma relação mais gentil com as lembranças difíceis que, às vezes, ainda me assombram.

Quando posso desfrutar do contentamento, mesmo sabendo que existem problemas que aguardam que eu me entenda com eles.

Deus, ouça as preces que lhe dirijo quando estou mansidão e ternura.

Quando estou contemplação e respeito.

Quando as palavras fluem, sem esforço algum, sem ensaio algum, articuladas e belas, do lugar em mim, onde o Senhor e eu, nos encontramos.

Quando nelas incluo as pessoas que têm nome e aquelas que desconheço.

E os meus amores, os meus desafetos….

E os bichos, as plantas, os mares e as estrelas.

Senhor, ouça também as preces que lhe dirijo quando só consigo chorar e, mesmo depois de já ter chorado muito, tenho a sensação de ainda não ter chorado tudo.

Quando me sinto exaurida e me entrego a esse cansaço completamente esquecida dos meus recursos.

Há momentos em que a gente parece ignorar tudo o que pode nos ajudar a lidar melhor com os desafios.

Há momentos, ainda, em que a gente se confunde sobre o local onde, de verdade, os desafios começam.

Mas eu desejo, profundamente, meu Deus, que também ouça as preces que lhe dirijo quando eu não consigo elaborar prece alguma.

Quando a dor é tão grande que minha fala não passa de um emaranhado de palavras confusas e desconexas que desenham um troço que nem eu entendo.

Quando o medo me paralisa e perturba de tal forma, que eu me encolho diante da vida feito um bicho acuado.

Quando me enredo nas minhas emoções com tanta confusão que parece que aquele tempo não vai mais passar.

E finalmente meu Deus, ouça as preces que lhe dirijo quando não peço, nada além de forças para prosseguir, por acreditar, que assim fortalecida, eu tudo poderei Naquele que me fortalece.



(Ana Jácomo)


*  *  *



27 abril 2018



Chegou ao meio da vida e sentou-se para tomar um pouco de ar.

Não sabia explicar.

Não era cansaço, nem estava perdida. Notou-se inteira pela primeira vez em todos esses anos.

Parou ali, entre os dois lados da estrada e ficou observando as margens da sua história, a estrada da vida ficando fininha, calando-se de tão longe que ia.

Estava em paz observando a menina que foi graciosa, cheia de vida.

Estava olhando para si mesma e nem notou.

Ali, naquele instante estava recebendo um presente.

Desembrulhava silenciosamente a sabedoria que tanto pediu para ter mais.

Quando a mulher chega à metade da estrada da vida, começa lentamente a ralentar o passo.

Já notou como tem gente que adora conturbar a própria rotina, alimentar o próprio caos? Ela não.
Não mais.

Deixa que passem, deixa que corram, a vida é curta demais para acelerar qualquer coisa.

Ela quer sentir tudo com as pontas dos dedos, ela quer notar o que não viu da primeira vez. Senhora do seu próprio tempo.

Percebeu, à metade da vida, que caminhou com elegância, que viveu com verdade, que guiou a própria sombra na estrada em direção ao amor.

E como amou! Amor por si, pelos outros, amou em dobro, amou sozinha, amou amar.

A mulher ao centro da vida traz a leveza que os anos teceram, pacientemente.

Escuta bem mais, coloca a doçura à frente das palavras, guarda as pessoas com preciosismo.

Aquela mulher já perdeu pessoas demais.

Ao meio da estrada, ela já não dorme tanto, mas sonha bem mais.

Sonha pelo simples exercício de sonhar.

Sonha porque notou que é o sonho que tempera a vida.

Aprendeu a parar de ficar encarando as linhas do corpo.

Seu espírito teso, seu riso aberto, sua fé gigante não têm rugas, nem celulite, sem encanação.

Descobriu que o segredo é prestar atenção no melhor das coisas, nas qualidades das pessoas, nas belas costas que tem e deixá-las ao alcance da vista dos outros.

Sentada ali, ao centro da própria vida, decidiu seguir um pouco mais.

Há mais estrada para caminhar, mais certezas para perder, mais paixão para trilhar.

Não há dádiva maior do que compreender-se, que encontrar conforto para morar em si mesmo, que perdoar-se de dentro pra fora. Ao centro da vida ela descobriu que a gente não se acaba, a gente vai mesmo é se cabendo, a cada ano um pouco mais.


(Diego Engenho Novo)



*  *  *