"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

20 abril 2011

As Cores de Deus


Deus, O Pintor dos pintores!
Num dia de muita graça
de sua paleta tomou...
Suas tintas, seu pincel...
Resolveu pintar a Terra.
E Adão o acompanhou.

Com o azul pintou o céu
reservando um tom anil,
pra certos dias de abril.

Tomou, então, da cor verde
Pintou a copa das árvores
variando de nuanças,
a grama, as hortaliças...
Também pintou a esperança,
numa latência que viça,
no sonho de um pomar,
que dorme numa semente,
como dorme uma criança!

E lavou o verde de seu pincel
nas águas do oceano...
Para ver como iria ficar
despejou só um pouquinho
de azul, pra variar.
E nas águas movimentando
as tintas se diluíram,
tomaram um tom fraquinho.
Por isso a cor do mar,
é verde meio azulinho.

Adão, que encantado,
diante de tal beleza,
fascinado!... admirado!...
com as cores da natureza,
e toda graça do Artista
em cada elemento pintado!!

O vermelho Deus colheu
e suspendeu o pincel...
Adão abrira a boca
de tanta admiração
e uma gota daquela tinta
caiu sobre sua língua
misturou-se à saliva,
e ele a engoliu.
E foi assim, que de vermelho,
nosso sangue se tingiu.

Querendo mais claridade,
Deus, então, proferiu:
”Fiat Lux” e o sol apareceu
com uma luz incolor.
E, como O Mais Sábio pintor,
Deus misturou ao vermelho
uma tinta amarela e o laranja se formou.
E Ele pintou o sol, dando à luz, aquela cor.

Pouquinho de azul anil,
outro pouco de carmim
se fez o violeta,
Deus então, falou assim :
-“ Adão, vês?
Quando os filhos, dos filhos de
dos seus mais remotos filhos,
tiverem merecimento,
com esta cor brilharão!
Como EU SOU bom,
vou guardá-la nestas pedras,
para que não esqueçam do tom.”
E, foi assim que a ametista,
tão bela pedra, surgiu.

Quando já se preparava
para lavar as mãos,
manchadas com Suas tintas,
Deus disse assim, a Adão:
”Filho, se minha obra não ferires,
através de tua fé,
farei tudo o que pedires”
E, fez gesto
mostrando toda amplidão ...
E a tinta que borrifou,
formou no céu o arco Íris.

(desconheço a autoria)