"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

30 julho 2011

Dica de Livro: “Doutrinação: Diálogos e Monólogos” - Luiz Gonzaga Pinheiro


Obra dividida em três partes: 
-diálogos que compõem A Prática da Doutrinação através da conversação com os espíritos enfermos;  
-Monólogos que são estudos e pesquisas que o doutrinador faz como aprofundamento dos casos que precisa administrar;
-As Crianças de Francisco, diálogos com crianças que, enquanto encarnadas foram vítimas da Síndrome de Down ou do autismo e que já são capazes de interagir.

Procura mostrar aos que jamais estiveram em uma reunião deste estilo, a sua dinâmica, a disciplina que a direciona, a paciência, a humildade e a dedicação daqueles que a compõem. 

Abaixo segue o trecho inicial deste excelente livro.

Recomendadíssimo!

* * *

Costumo chamar as noites nas quais dirijo reuniões de desobsessão, de noites azuis.

Por isso convido a você, leitor: ao abrir este livro, olhe para o céu.

Sempre há azul a nos inspirar beleza e harmonia.

São tantos os que não podem ver, os que não querem ver, os que não têm olhos de ver, mas o azul está lá doando-se para a mágoa e para o contentamento. Não deixe passar em vão essa oportunidade, pois dias e noites não se repetem.

Cada dia que passa é uma dádiva. Cada noite que chega, uma benção.

Lembre-se:cada noite tem a cor que você quiser.

Há noites de todas as cores e com todos os sentimentos. Mas as noites verdadeiramente luminosas são azuis.

A noite de natal, às vezes é branca, de outras, azulada. As noites de orações são douradas e as noites de saudades podem ser verdes ou lilazes. A noite de São Bartolomeu foi uma noite negra e a noite da paixão do Senhor teve mais cinza que qualquer outra cor.

Gosto de noites azuis. São calmas, perfumadas, melodiosas. Não possuem a neurastenia das calamidades nem a angústia da desesperança. Os dias do Senhor possuem noites azuis. A morada da bondade é sempre azul. O mar é azul, o céu é azul, azuis são os olhos da esperança. Por isso estou chamando de noites azuis aquelas onde existem diálogos e monólogos de um doutrinador.

Eles podem ocorrer em qualquer bairro, cidade ou país, a fazer brotar entre os cascalhos da discórdia, as flores do entendimento.

Nelas estão a bondade do Dr. Bezerra de Menezes, o amor de Jesus, os ensinamentos de Kardec e o carinho disciplinado dos amigos espirituais.

Que outra cor poderia ter tais noites?

Este livro demonstra que, embora vagarosamente, o bem avança, a caridade movimenta-se com seus gestos aveludados e o amor não abdica do seu velho hábito de estancar lágrimas.

Ele procura mostrar aos que jamais estiveram em uma reunião desse estilo, a sua dinâmica, a disciplina que a direciona, a paciência, a humildade e a dedicação daqueles que a compõem.

São casos emocionantes, onde não raro, a lágrima de gratidão se mistura a alegria do dever retamente cumprido.

São noites belas, suaves, onde o Espírito armazena forças para enfrentar com galhardia as dificuldades dos dias futuros.

Adentre conosco nessas noites através deste livro e veja quanto azul pode comportar um coração que adora o trabalho e ama a disciplina, pois assim é o coração espírita e assim são as noites azuis.