"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

17 maio 2012

Maternidade sem sofrimento



Sempre me incomodou o ditado “Ser mãe é padecer no Paraíso”. Não concordo e vou lhe explicar, agora, o meu ponto de vista a esse respeito.

Ser mãe é uma experiência incomparável na vida das mulheres e pode tanto trazer motivos para comemorar quanto motivos para chorar. Na verdade, alegria ou decepção na maternidade vai depender mais de você – MÃE – do que dos filhos, porque, independente dos filhos que tiver, você jamais perde o seu valor como mãe, como mulher e como ser humano.

Ao se tornar mãe, procure se libertar das ilusões de que seus filhos serão o que você sonha para eles. Essas idealizações exageradas das mães são o caminho para as grandes decepções que vemos nas famílias.

Entenda que você está criando seres humanos e, como tal, aceite a humanidade de seus filhos.

Ninguém é perfeito, nem mesmo você. Essa conscientização lhe ajuda a não sofrer com a ingratidão daqueles a quem você dedicou tanto amor e zelo ao longo da vida.

Por mais que você tenha exemplificado os melhores valores para seus filhos, pode acontecer de um ou outro filho não ser e fazer o que você esperava. Nesse caso, não se culpe e entenda que é impossível mudar a natureza de uma pessoa, a menos que ela mesma decida mudar.

Procure encaminhar seus filhos, desde pequenos, para uma religião. Esta ligação com Deus dará a eles e a você mais condições para enfrentarem as naturais adversidades da vida.

O ideal para você, como mãe, é exercer em família o amor-exigente, aquele amor maduro, sem apego, e severo com os comportamentos inadequados de seus filhos. Quando precisar chamar a atenção de um filho, diga: “Meu filho, eu te amo muito, mas não amo e não aceito esse seu comportamento”.

Para que você não venha a sofrer com a maternidade – “padecer no Paraíso” –, reforce seu amor próprio e aprenda a amar seus filhos incondicionalmente, sem cobranças e sem esperar retorno ou gratidão. O que vier de bom será pura alegria!

Desejo a você que possa exercer a maternidade com mais sabedoria e seja muito feliz!


(Eliana Barbosa )




*  *  *