"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

22 janeiro 2013

O esplendor de Roma e Grécia onde está?



A crise econômica e social que vem agitando a Grécia tem levado muitas pessoas a pensar: onde estão as civilizações que marcaram seu nome na história deste mundo, como as que floresceram no Egito e na própria Grécia?

O assunto é tratado num dos capítulos que integram O Livro dos Espíritos, a principal obra da doutrina espírita.

Muitos povos, depois de atingirem determinado estágio evolutivo, recaíram na barbárie e alguns deles simplesmente desapareceram ou perderam seu vigor. 

Assírios, babilônios, egípcios, Roma, Esparta e Atenas... Para onde foram os Espíritos que tornaram famosos esses povos?

A explicação fornecida pelo Espiritismo – que o leitor pode conferir nas questões 786 a 788 d´O Livro dos Espíritos – é objetiva e bastante curiosa.

Quando uma casa ameaça cair – dizem os imortais – mandamos demoli-la e construímos outra mais sólida e mais cômoda.

Ocorre que, enquanto a nova moradia não fica pronta, há perturbação e confusão, fato comum que se observa nas construções em reforma. 

Aliás, expressão parecida foi utilizada certa vez por Emmanuel numa referência ao globo em que vivemos: “A Terra é uma casa em reforma”.

Segundo a doutrina espírita, os Espíritos não se encarnam indefinidamente numa mesma região ou em um mesmo país. Eles encarnam-se em diferentes lugares, porque assim exige o processo evolutivo, que permite, desse modo, se extingam também essas rivalidades pueris inerentes à nacionalidade.

Aqueles que, quando encarnados, constituíam o povo que desapareceu ou degenerou, não são os que o constituíam ao tempo do seu esplendor. Encontram-se eles reencarnados em outros países, ou talvez em outros planetas, enquanto outros Espíritos, menos adiantados, tomaram o lugar que ficara vago e que, também, a seu turno, terão um dia de deixar.

Os povos são, portanto, personalidades coletivas que, tal como os indivíduos, passam pela infância, pela idade da madureza e pela decrepitude. 

Os que apenas dão importância à vida do corpo, aqueles cuja grandeza unicamente assenta na força e na extensão territorial, nascem, crescem e morrem, porque a força de um povo se exaure, como a de um homem.

Aqueles cujas leis egoísticas criam obstáculos ao progresso das luzes e da caridade, morrem, porque a luz mata as trevas e a caridade mata o egoísmo. 

Contudo, tanto para os povos, como para as pessoas, existe a vida da alma, sendo certo que os povos cujas leis se harmonizam com as leis eternas do Criador viverão e servirão de farol aos outros povos.

Com relação a Atenas e Esparta, Chico Xavier transmitiu oportunamente uma informação de Emmanuel segundo a qual personalidades importantes das duas famosas cidades encontravam-se, no século 20, reencarnadas em duas nações poderosas da Europa que tiveram papel preponderante, mas em lados contrários, no conflito que ficou conhecido como a Segunda Guerra Mundial, de triste memória.

(Astolfo Olegário de Oliveira Filho)


*  *  *