"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

20 março 2015

Súplica por Gaia (Terra)



Oh Senhores Diretores dos Orbes evoluídos da federação dessa galáxia.

Nós, (...) sentimo-nos compelidos a expressar nossos desejos com 

mental inferior e detalhar o que o causal suplica em sua pureza 

abstrata, num relampejar de manifestação.


Necessitamos de ajuda, suplicamos pelo auxílio dos irmãos a fim 

de que nossa amada Gaia, a Terra, se torne verdadeiramente o 

rincão à que foi destinada, de aura limpa a expressar paz, arte e 

amor.


Os adeptos da matéria já dominaram por completo todos os 

sistemas de produção e informação do planeta.


Impuseram um sistema monetário onde o valor é fictício, expresso 

por dados manipuláveis em gigantes computadores.


Esse senhores alteram ao seu bel prazer todos esses dados, criando 

fome, guerra e terror.


Mesmo em tempos de paz, os indivíduos são obrigados a trabalhar 

como escravos para esse diabólico programa, sem progresso algum 

em sua senda espiritual, pois não há tempo para criar, para amar, 

para refletir, para a arte, para nada...


Só existe o stress constante do desamparo pessoal e da prole, da 

desassistência na doença, um medo que estagna por completo o 

ser…


Os esclarecidos são poucos e imploramos por intervenção.


A manipulação desses líderes tenebrosos chegou ao ponto de nos 

introduzir numa falsa matrix, onde tudo é deturpado, onde a nossa 

origem nos é ocultada, nossa história.


Nosso direito sagrado à verdade nos vem sido negado por 

milênios, tornamo-nos ignorantes, desconhecemos o oculto, o 

mecanismo evolutivo...bloquearam-nos as faculdades mais nobres 

para que não tenhamos nossa atitude servilista afetada.


A maioria das religiões são primitivas e infantis; prometem o 

paraíso a quem seguir as regras dessa sociedade injusta.


Tem a finalidade apenas de controlar e não de informar; de manter-

nos atados a matéria e não de nos espiritualizar.


Os líderes das principais correntes religiosas tem a aura escura e 

não laboram para as correntes positivas.


A energia utilizada por nossa civilização é rudimentar, à base de 

substâncias esgotáveis e poluentes.


Inventores brilhantes já descobriram meios de obtenção energética 

pura e ilimitada, a partir da fusão a frio ou pela utilização do 

hidrogênio, oriundo da simples hidrólise. Mas os adeptos da 

matéria, receosos de perder o seu controle sobre a humanidade 

cativa, exercido pela dependência de seus toscos combustíveis, à 

base de petróleo, os assassinaram e destruíram seus laboratórios.


Tudo que nossos heróis infiltrados produzem de bom, para a 

melhoria de vida da população, é imediatamente oblumbado e 

retido para o usufruto exclusivo dessa classe dominante maligna.


Quanta ignorância se abateu sobre nossa população, Amados.


A maioria de nós ainda divaga se há ou não vida em outros 

mundos, quando a própria lógica e intuição seriam suficientes para 

eliminar essa injustificável dúvida.


Culpa da liderança mundial e midiática que apresenta cientistas e 

mais cientistas negando tal possibilidade. Utilizam-se dá mórbida 

tática de dizer uma mentira mil vezes até que ela "se torne uma 

verdade".


Nossos sentidos intuitivos foram em grande parte bloqueados pela 

ação desses seres.


Esses entes do mal organizam-se em sociedades secretas 

poderosíssimas para decidir os destinos de Gaia. Nos tratam como 

gado, não tem sentimentos nobres, agem como vampiros 

alimentando-se do sangue de seu sistema escravocrata.


Grandes irmãos, ajudem-nos antes que seja tarde demais, nós de 

Gaia não pedimos posses materiais, nem o privilégio da inação 

preguiçosa; imploramos pela liberdade, pelo direito à verdade, ao 

progresso, pela segurança da alimentação, do amparo na doença, 

pelo tempo que não temos, no qual possamos meditar, amar, 

brincar, exercitar nossos dons superiores.


Queremos nos mostrar merecedores da fraternidade galáctica, à 

qual fazemos parte.


Queremos fazer a aura do nosso orbe brilhar.








* * *