"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

11 março 2011

As Grandes Tragédias e a Evolução Humana


De tempos em tempos a humanidade é acometida por uma grande tragédia, ocasionada por fenômenos naturais como terremotos, vulcões, maremotos, incêndios florestais, enchentes, com a morte de centenas e até milhares de pessoas

Há ocasiões em que as tragédias acontecem num curto período de tempo, atingindo várias regiões do planeta, e a soma das vítimas impressiona até o mais frio e calculista dos homens.

De acordo com a espiritualidade, esses fenômenos naturais tem uma causa justa e se alguns sobrevivem às tragédias enquanto outros sucumbem, há para esse fato uma razão lógica e cármica.



Algumas explicações sobre esses fenômenos da natureza, resumidamente, são as seguintes:

1. Esses fenômenos não acontecem por acaso.

2. Eles acontecem com a permissão de Deus.

3. Freqüentemente seu objetivo é o restabelecimento do equilíbrio e da harmonia da natureza.

4. Apenas algumas vezes o objetivo é atingir o homem.

5. Os fenômenos da natureza são comandados por espíritos encarregados por Deus dessa ação.

J. Herculano Pires refere que com esses fenômenos, provoca-se um “salto qualitativo” no desenvolvimento do homem, e que esses fenômenos estão integrados no processo geral da evolução.

Segundo Allan Kardec: “Fisicamente, a Terra já teve as convulsões de sua infância; ela entrou num período de estabilidade relativa: no período do progresso pacífico, que se realiza pela reprodução regular dos mesmos fenômenos físicos, e pelo concurso inteligente do homem. Porém ela ainda está em pleno trabalho de gestação do progresso moral. Aí residirá a causa de suas maiores comoções. Até que a humanidade haja crescido suficientemente em perfeição pela inteligência e pela prática das leis divinas, as maiores perturbações serão causadas pelo homem, e não pela natureza, isto é, serão mais morais e sociais que físicas”.

Não há frieza nas explicações espíritas, pois diante de uma tragédia física ocasionando a morte de muitas pessoas, devemos nos sensibilizar e agir em benefício dos que sobreviveram, assim como orar pelos que retornaram ao mundo espiritual. 

Apenas constatamos que tudo tem uma causa justa, e que o próprio homem é, muitas vezes, responsável direto pelo agravamento do mal necessário.



Quando tomarmos as providências necessárias os estragos serão minimizados, e mais do que contabilizar prejuízos financeiros, aprenderemos a valorizar a vida, pois as grandes tragédias não são ocasionadas pela ação das forças da natureza, mas ocasionadas pelo homem na sua ação terrena, já que se traduzem por espetáculos de conseqüências morais.

A evolução do homem deve equilibrar ações inteligentes com ações morais, para o bem coletivo, e sempre que ele concorrer para a obra geral do criador estará dando um passo decisivo no rumo da perfeição.

(Marcus De Mario)

(Artigo publicado na Revista Internacional de Espiritismo, abril 2005)