"Nós não somos seres humanos tendo uma experiência espiritual. Somos seres espirituais tendo uma experiência humana"

(Teillard de Chardin)

11 abril 2012

O primeiro amor leva tudo


É fácil saber se um amor é o primeiro amor ou não.

Se admite que possa ser o primeiro, é porque não é, o primeiro amor só pode parecer o último amor.

É o único amor, o máximo amor, o irrepetível e incrível e antes morrer que ter outro amor. Não há outro amor. O primeiro amor ocupa o amor todo.

Nunca se percebe bem por que razão começa. Mas começa. E acaba sempre mal "só porque acaba".

Todos os dias parece estar mesmo a começar porque as coisas vão bem, e o coração anda alto. E todos os dias parece que vai acabar porque as coisas vão mal e o coração anda em baixo.

O primeiro amor dá demasiadas alegrias, mais do que a alma foi concebida para suportar.

É por isso que a alegria dói — porque parece que vai acabar de repente.

E o primeiro amor dói sempre de mais, sempre muito mais do que aguenta e encaixa o peito humano, porque a todo o momento se sente que acabou de acabar de repente.

O primeiro amor não deixa de parte "um único bocadinho de nós".

Nenhuma inteligência ou atenção se consegue guardar para observá-lo. Fica tudo ocupado. O primeiro amor ocupa tudo. E inobservável. É difícil sequer refletir sobre ele. 

O primeiro amor leva tudo e não deixa nada.

Diz-se que não há amor como o primeiro e é verdade.

Há amores maiores, amores melhores, amores mais bem pensados e apaixonadamente vividos.

Há amores mais duradouros. Quase todos. 

Mas não há amor como o primeiro. 

É o único que estraga o coração e que o deixa estragado.


(Miguel Esteves Cardoso, in “Os Meus Problemas”)